out 25 2015

Sobre os Jogos Mundiais Indígenas do estado brasileiro

Civilizações sempre buscaram criar formas de distração para os povos subjugados para que não se revoltassem. Criar arenas para jogos há mais de 2000 anos é uma estratégia de guerra das civilizações. Os Romanos controlam os territórios que invadia obrigando os povos subjulgados a frequentar as arenas, casas de jogos e coliseus que construía. Não foram poucos povos que caíram nessa armadilha civilizada.

O governo brasileiro organizou para este ano os Jogos Mundiais Indígenas. Aconteceu na cidade de Palma (TO) a partir do dia 23 de outubro deste ano. Os jogos foram marcados por protestos e a maioria dos povos indígenas buscou convencer seus parentes a não participar dos jogos.

Com os jogos o estado brasileiro tenta encobrir sua intenção e legislação genocida. Quer que o resto do mundo veja com têm sob seu controle as populações indígenas que submete. Fabricam a ilusão de que todos os povos ameríndios estão satisfeitos, que foram atendidas todas suas demandas. Escondem o fato do Brasil estar adotando uma legislação que cada vez mais genocida e fascista que ameaça a existência das novas gerações.

A consciência nos leva a repudiar toda forma de distração estatal. Somos contrários a realização de novos jogos mundiais indígenas, e seguiremos sendo até que todas as demandas indígenas e quilombolas por terra e dignidade sejam atendidas!